sábado, 17 de março de 2012

Sou bom
Sou mal
Sou alto astral
Tudo da natureza
Correta indiscreta e incerta
Vejo um espelho
E não me reconheço
Sou feroz e lindo
Algo suave e pesado
Meu rosto se dilata
Tanto que cabe numa lata de sardinha
Apertada
Mas que cabe todo meu ser
Sou pequeno de alma
E grande de mente
Eis que meu corpo desmente
Não hei de entrar na latinha
Meu coração é enorme
Cabe no mínimo um passo para o alto
E no máximo uma linda poesia
Que chora e alegremente dorme
Tranquilamente toda hora
Todo dia